sábado, 17 de outubro de 2009

Abrir mão ou não...


Todas as manhãs, é a mesma coisa... Abrir os olhos, virar pro lado, querer ficar mais 5 minutos na cama, sentir o frio no pé, o calor na cabeça, e me levantar...

Nunca que eu imaginaria que um dia aquilo fosse mudar. Não que eu não quisesse, mas, há certas mudanças que, realmente, não dá para gostar, quando drásticas demais...

Tudo começou em um fatícido dia... Estava eu, caminhando e assoviando, com as mãos nos bolsos da bermuda azul-marinho, com o bolso esquerdo rasgado ao fundo, e não havia rumo, ou horário. Estava eu, perdido em meus pensamentos, caminhando sem parar, dando voltas pela cidade.

Não tem muita explicação para quando algo sobrenatural vem e nos acontece. Este foi um destes momentos inexplicáveis. Aonde eu encontraria palavras para descrever algo assim, tão... Ok, não tenho MESMO palavras que indiquem o que há de sentimentos para este momento! Nem ao menos poderia dizer se é sentimento bom ou ruim. O que vi, pode ter mudado minha vida para sempre!

Santa Ifigênia, em um dia comum, em plenas 3 horas da tarde. Dentre as lojas de eletrônicos, havia uma pequena e singela loja, meio escondida, com um vendedor simpático, porém, de olhar misterioso. Nada se entendia, parecia que estava falando LATIM. Não entendo nada de latim, a não ser aquelas velhas frases engraçadas utilizadas em séries de terror e ficção, como se valessem mesmo para algo. Resolvi comprar um celular novo, baratinho, mas, estava sem grana. O vendedor, de modo duvidoso, chegou e me puxou para dizer em voz baixa:

- "O que você precisa, não tem por aqui. Sei que está com muito tempo livre, então, venha comigo ao depósito, que eu lhe mostro o que procura!"

PEnsei comigo mesmo "Esse negócio não está me cheirando bem". Tudo bem, pode ser que eu apenas tenha sentido o cheiro do mendigo que gritava palavras sobre Deus e frases sem sentido na porta da galeria ao lado da pequena loja escondida, mas, ainda assim, algo estava errado.

Algo dentro de mim me fez realmente seguir, mesmo que desconfiado, aquele vendedor. Chegando ao depósito escuro, na rua ao lado, uma pequena viela aonde não se via uma única alma viva, nem se ouviam sons, me senti em um episódio de "Além da Imaginação". Quem me dera fosse simplesmente um "episódio", e não a minha própria vida mesmo.

Chegando ao tal depósito, percebi que o ar estava diferente. Era quente, rarefeito, meio úmido e cheio de pó. Tentei segurar a tosse e os espirros com uma força sobre-humana. Ao chegarmos ás caixas de papelão, antes de abrí-las, ele se virou para mim, e perguntou: "Você abriria mão de algo, caso uma troca fosse necessária?"

Para mim, esta pergunta era uma coisa tão banal. Imaginava que seria uma troca de celular por celular, ou mesmo a troca de grana por um celular não registrado. Tanta gente compra mercadoria roubada, por ser mais barata, eu não seria o primeiro, nem o último, e muito menos seria preso por algo tão pequeno! Lógico que no impulso, respondi que sim!

De dentro da caixa, um celular simples, compacto, saía, lacrado, com cara de novo. Perguntei o preço, mas, o vendedor continuava apenas mostrando, e dizendo "igual a este, jamais encontrará novamente!". Não entendi o que ele quis dizer na hora, pois já havia visto um modelo parecido, mas, com menos funções do que o que ele havia mostrado.

Dizem que, fazer negócios assim, podem acabar tendo problemas de comprar gato por lebre... O seria outro ditado? Posso estar me confundindo, mas, resolvi levar o tal celular. O preço? Bem, o cara sumiu, como se nunca estivesse por ali.

Nem me liguei na hora, mas, depois vi que havia uma pequena marquinha, quase imperceptível, no canto inferior direital, o do celular, da telinha. Algo parecido com uma bolinha com chifres, ou pode ser apenas um risquinho mesmo. Na hora, não dei importância mesmo, afinal, ele estava funcionando mesmo!

Ao primeiro uso, som perfeito como não havia ouvido antes. Ao finalizar a ligação, um BIP toca. Olho para a tela, e lá diz: "faltam apenas 9 ligações". Me surpreendi. Faltavam 9 ligações para acontecer O QUÊ
? A dúvida ficou pairando sobre minha cabeça.

Resolvi fazer minha segunda ligação, mas, ninguém atendia. Ok, talvez não houvesse ninguém na casa na hora. Mas, com isso, ao desistir da ligação, tocou outro BIP e mais uma mensagem: "Faltam apenas 8 ligações".

Minha preocupação aumentava. Faltavam aquele número de ligações PARA QUÊ
? O que iria acontecer, após as ligações restantes? A curiosidade aumentava, em progressão geométrica áo medo!

Em minha terceira ligação, liguei para meu chefe, que estava para pegar um avião. Além de desejar boa viagem, iria lhe pedir uma lembrança da viagem. O vôo ocorreu no horario exato, tudo nos conformes. Após desligar, novamente outra mensagem de "Faltam apenas 7 ligações".

Á medida que eu ia precisando falar com alguém, os numeros baixavam. Quando fiz a nona ligação, foi justamente porque eu recebi o recado de que todas as pessoas para quem liguei, tiveram problemas, ou acidentes, ou de saúde, e foram parar no memso hospital. Na décima ligação, foi par ao hospital, pra entender o que estava acontecendo. Quando a enfermeira que atendeu estava para me dizer algo sobre o ocorrido, gritos, e de repente, o telefone ficou mudo!

Tive medo de olhar quando bipou novamente. A curiosidade era grande, mas, sempre que eu ligava e olhava, algo ruim acontecia. Fiquei pensando comigo mesmo: "É só um mau dia, tudo vai melhorar!". Meus olhos estavam incontroláveis. Eu estava suando frio, precisava saber o que iria acontecer...

Lentamente, fui virando a cabeça e o olhar em direção ao celular... Me deparo com a primeira mensagem diferente das anteriores: "Vamos fazer a troca agora
? O pagamento pelo celular, e pelas almas de seus amigos e entes queridos pela sua alma!"

O nervosismo tomou conta de mim. Entrei em estado de choque. E hoje, estou aqui, amarrado á esta cadeira de rodas, enfaixado e com camisa de força, acusado de terrorismo e exposão de uma bomba no hospital central.

Não sei o que houve, só sei que não sinto mais minha alma em meu corpo como antes... Não a sinto...

ass: Unna Bamba

Nenhum comentário:

Dudjinka

Quem está lendo aqui (Tempo Real)

PORTA CURTAS - Festival do Rio 2009