sexta-feira, 1 de agosto de 2014

A Moto

A Moto

 Era fim de tarde, o crepúsculo brilhava de rubro vermelho os céus, logo a temperatura caia fazendo um pouco frio, mas o sol brilhava seus últimos instantes no céu. O céu estava limpo podendo ser vista as nuvens encarneiradas podia-se ver nitidamente um avião ao alto por entre elas.

Aquele friozinho arrepiava minha nuca forçando-me á entrar em casa mais cedo, aproveitei e comecei a ler um ...livro cuja leitura eu adiara por muito tempo. Subitamente meu cachorro começou a latir, eu não conseguia me concentrar na leitura. Lá fora um som do escapamento de uma moto atordoava toda a minha concentração.

Olhei por uma fresta da janela de minha cozinha e então vi a roda de trás de uma moto acelerando bem na frente do meu portão.- Bolas! Pensei comigo mesma, por que este chato tem que acelerar justamente na frente da minha casa? A moto começou lentamente a andar para trás, eu finalmente ia ver quem era o sujeitinho inoportuno que estava nela.

Naquele instante meus dedos ficaram rígidos na janela, meu coração está gelado e meus olhos encheram de água. O arrepio do medo agarra meus cabelos como um imã. Não tinha ninguém na moto. Ela simplesmente virou a direção, acelerou e foi embora, diante dos meus olhos... Uma moto andando sozinha, ou guiada por um espectro invisível vindo não sei de qual dimensão... Quem acreditará em mim??
 
texto: Dalson Ricardo Cardoso

Nenhum comentário:

Dudjinka

Quem está lendo aqui (Tempo Real)

PORTA CURTAS - Festival do Rio 2009