sexta-feira, 1 de agosto de 2014

O Espectro

O Espectro

 O relógio corre rápido, afinal o amanhã será um dia cheio e aqui estou eu, deitado em minha cama, buscando repouso e imerso em pensamentos confusos no entardecer.

 Minha mente divaga sobre os mistérios, existirão fantasmas? Haverá vida após a morte?

 Os últimos raios do sol penetram pela janela do meu quarto, não há ninguém aqui em casa, apenas eu.

 Esses pensamentos mórbidos assolam minh...a mente, não sei por qual razão penso nisso agora, estou tão confusa...

 O único som que ouço são as batidas do meu coração, agora mais forte, mais forte, penso comigo mesmo, o que eu faria se visse um fantasma? Se o sobrenatural me tocasse, mesmo que por apenas um instante... Como eu reagiria?? Como você que está me ouvindo reagiria?
Olho para a porta do meu quarto, as trevas avançam rapidamente, o crepúsculo se vai dando lugar as sombras da noite.

 Meu Deus!!!! Está ali!!! entrando pela porta, uma mulher, com o vestido vermelho, ela vem em minha direção sem emitir nem um barulho, seus pés não tocam o chão, pois ela não tem pés, apenas flutua, ela vem em minha direção, meu coração estremece, bate assustadoramente. Dos meus olhos escorrem lágrimas de medo. Ela apenas vem em minha direção. Isso é o suficiente para gelar minha alma como em um tétrico pesadelo.

 Some com a rapidez que apareceu.

 Nunca mais quero pensar em fantasmas novamente.
texto: Dalson Ricardo Cardoso

Nenhum comentário:

Dudjinka

Quem está lendo aqui (Tempo Real)

PORTA CURTAS - Festival do Rio 2009