sábado, 30 de agosto de 2014

(In)finito (Des)apego [poesia]

(In)finito (Des)apego

Querer se apegar,

sabendo que jamais terá;
Desapego transitório,
pois um dia acabará.

Questões de corpo e alma,
relações que dão para trás;
Desapego ao infinito,
apego ao que acabará.

E a tristeza do fim,
mas continua o apego;
a alegria do começo,
vivendo a vida, só vivendo.

Energia contida,
terminada em explosão;
infinito desapego,
para não ficar na mão.

Para dentro, para fora,
pois o tempo é agora!
Frágio espaço improvisado,
ao final se apagará.

Uma rosa e uma maçã,
desejo inconstante;
apego ao desejo,
em desapego material.

Um beijo pela manhã,
sentimento variante;
destas notas vem o arpejo,
de uma vida trivial.

Infinito Desapego,
para o bem ou para o mal.
Acabou o desespero,
pois chegamos ao final.

Henrique Takimoto Jasa
quinta-feira, 5 de julho de 2012

Nenhum comentário:

Dudjinka

Quem está lendo aqui (Tempo Real)

PORTA CURTAS - Festival do Rio 2009