sábado, 30 de agosto de 2014

Alma Corsária [poesia]

ALMA CORSÁRIA(homenagem ao falecido amigo e mestre, Carlos Reichenbach)

Ah, alma corsária, que de longe, me vem á vida;
Ah, vida ordinária, vivendo de bem, e de bem que se vive!
Alma de um homem, que tem muitas vidas,
porém, perde a única que realmente tem;
Oh, vida corsária, alma dividida entre amores e saudades.

Livre, leve, suave coisa... Suave coisa nenhuma!
 Me leve com você, até onde tiver de ser!
Conheça a quem te necessita,
desconhecendo o que não mais precisa!

Voe com asas, de penas e imaginação,
Rubro vento, suave e doce, remédio da solidão;
Me leve para o mar, e até onde estiver,
para cima, para dentro, e até onde mais puder ser.

Reine a paz interna, me leve ao nirvana,
jorre o vinho tinto deste corpo viajante;
Faça parte de mim, ó vida eterna,
enquanto nada deter meu semblante!

Henrique Takimoto Jasa
quarta-feira, 4 de julho de 2012

Nenhum comentário:

Dudjinka

Quem está lendo aqui (Tempo Real)

PORTA CURTAS - Festival do Rio 2009